Atrativos

Museu das Bandeiras

O Museu das Bandeiras Funciona no prédio de 1766 que abrigou a Casa de Câmara (até 1937) e Cadeia (até 1950). É uma das construções mais bonitas e impressionantes da cidade, portanto não pode ficar fora do seu álbum. Possui um rico acervo, com materiais utilizados no garimpo, porcelanas portuguesas, peças, mobílias, utensílios entre outros objetos que remetem aos séculos 18, 19 e 20 e painéis com a história e percurso dos bandeirantes e a cruz original de Anhanguera.

Chafariz de Cauda

Belíssima fonte de desenho barroco, um dos cartões portais da cidade, foi construída em 1778 destinada ao abastecimento de água potável para uma grande parte da cidade. 

Quartel do XX

O antigo Quartel do Exercito abriga hoje o CEP – Centro de Educação Profissionalizante atuando na formação de jovens e adultos da comunidade vilaboense.

Museu de Arte Sacra da Igreja da Boa Morte

A igreja construída em 1775, hoje desativada, abriga o maior acervo do escultor barroco José Joaquim da Veiga Valle (1806-1874), reunindo mais de 100 peças. Conta também em seu acervo com custódias, tocheiros, coleções de prataria e mobiliário dos séculos 18 e 19.

Museu do Palácio Conde dos Arcos

      Construído em 1751, a mando de Dom Marcos de Noronha, o Conde dos Arcos, primeiro governador da Capitania de Goyaz. Seus 36 cômodos guardam obras do século 18, utensílios domésticos, pertences, artes decorativas e mobiliário dos antigos governantes.

Antiga sede do governo na província, por isso mesmo uma construção impressionante, o Palácio Conde dos Arcos, acervo é composto por peças do século 18, 19 e 20. São pratarias armas, coleções de moedas o império, entre outros diversos objetos. 

 Igreja São Francisco de Paula

A mais antiga das igreja da cidade foi construída em 1761, situa-se em uma plataforma com vista para o mercado e do Rio Vermelho. Atualmente, é local de encenação da prisão de Cristo na Procissão do Fogaréu, um dos eventos mais bonitos e emocionantes do Brasil. Em estilo colonial, localiza-se junto à margem esquerda do Rio Vermelho, tem uma bela escadaria e imagem atribuída ao escultor goiano Veiga Valle. MUSEU DE ARTES SACRAS DE BOA MORTE

De 1779, é o único edifício da cidade que apresenta elementos do barroco em sua fachada. Daqui sai, toda Quarta-feira de trevas da Semana Santa, a procissão do Fogaréu. Seu acervo é formado por peças de origem portuguesa dos séculos 18 e 19 e uma série de estátuas de madeira pintadas por um dos mais importantes escultores brasileiros religiosos, José Joaquim da Veiga Valle. 

Museu Casa de Cora Coralina

      Casarão colonial de 1782 onde Cora nasceu, passou a infância e, depois de voltar para Goiás, viveu até seus últimos dias. A velha casa da ponte está como a poetisa a deixou, com seus objetos pessoais, quarto com vestidos pendurados, escrivaninha com manuscritos e livros, e cozinha montada, com seus tachos e apetrechos de doceira. A casa-museu conta com visitas guiadas que ajudam a conhecer melhor a vida e obra de Ana Lins dos Guimarães Peixoto Bretãs, seu nome de batismo.

Elemento fundamental do mais célebre cartão postal vilaboense e mais importante monumento da cidade, a Casa de Cora Coralina é a antiga morada da famosa poetisa. Hoje é um museu dedicado à vida e a obra da mais importante personalidade vilaboense, que traduziu em versos os sabores da vida interiorana.